2012-06-27


Poetas são flores,
Que com o tempo começam a desbrotar,
As pétalas são o pensamento,
Que ao longo vai recitar.


Poetas são estrelas a Brilhar,
As suas luzes vêem do céu,
Que com um toque de magia,
Começam a se esnpirar.

Poetas são águas,
Que vão ao rio a descer,
Vão levando as tristezas,
Que deixaram de viver.
Mc Poetisa dos Sonhos

É a solidão que inspira os poetas, cria os artistas e anima o génio.

2012-06-23

Seguir em frente.



Nunca esmoreças

Alma fraterna, recorda:
Os momentos infelizes
parecem noites de crises
Em que o céu lembra um vulcão;
Ribombam trovões no espaço,
Coriscos falam da morte,
Passa irado o vento forte,
Tombando troncos no chão...
Os animais pequeninos
Gritam pedindo socorro
Descendo de morro em morro,
Cai à enxurrada a correr...
Mas finda a borrasca enorme,
No escuro da madrugada,

Em riscas de luz dourada,
Vem o novo amanhecer.
Assim também na vida,
Se atravessas grandes provas,
Na estrada em que te renovas,
Guarda a calma ativa e sã;
Sofre, mas serve e caminha,
Vence a sombra que te invade,
Se a hora é de tempestade,
Há novo dia amanhã...

É muito silêncio
enquanto as flores não crescem
e os poetas dormem.

Sera??



Os poetas místicos são filósofos doentes,
E os filósofos são homens doidos.
Porque os poetas místicos dizem que as flores sentem
E dizem que as pedras têm alma
E que os rios têm êxtases ao luar.

Mas as flores, se sentissem, não eram flores,
Eram gente;
E se as pedras tivessem alma, eram coisas vivas, não eram pedras;
E se os rios tivessem êxtases ao luar,
Os rios seriam homens doentes.
Alberto Caeiro

Poetas

Ai almas dos poetas
Não as entende ninguém,
São almas de violeta
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas.

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma para sentir
A dos poetas também!
Florbela Espanca


Meu conselho é que se case. Se você arrumar uma boa esposa, será feliz; se arrumar uma esposa ruim, se tornará um filósofo.
Sócrates


Pensar sem aprender torna-nos caprichosos, e aprender sem pensar é um desastre.
Confúcio


Perguntas-me qual foi o meu progresso? Comecei a ser amigo de mim mesmo.
Sêneca


Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico.
Sêneca


Querem que vos ensine o modo de chegar à ciência verdadeira? Aquilo que se sabe, saber que se sabe; aquilo que não se sabe, saber que não se sabe; na verdade é este o saber.
Confúcio

Alma aprisionada

Aprisionou-se a alma do poeta
Que versos de amor escrevia
Pois se apaixonava todos os dias
Escrevia, escrevia.
Inspiração era o que mais tinha
Para cada noite
 Uma mulher ele escolhia
Envolvia com seus versos doces
Que ela jamais esqueceria
De segunda a segunda
O insano poeta escrevia
Enviando seus versos
Para novas amantes que queria
Louco, louco poeta!
Que em versos mentia
Quando algum amigo o advertia
Ele somente ria...
Dizendo que era sua arte
E de nada se arrependia
Nas madrugadas embalado pelo vinho
D e volta para casa, deixava para traz
Mais um coração iludido
Mas o dia que o amor encontrou
E para ela o mais belo e verdadeiro
Poema escreveu, e com rosas perfumadas
A ela enviou
Surpreso e aterrado ficou
Quando seu presente voltou com bilhete que dizia:
Poeta com muitos corações brincou
Porém agora que escreves a verdade
Infelizmente é tarde
Pois sua amada hoje se casou.
O brilho do mundo para ele apagou
Nunca mais pode escrever versos de amor
Aprisionou-se sua alma em triste melancolia
Deixando para sempre a pena
 com a qual escrevia.



Uma mulher bonita não é aquela de quem se elogiam as pernas ou os braços, mas aquela cuja inteira aparência é de tal beleza que não deixa possibilidades para admirar as partes isoladas.
Sêneca

2012-05-20

                                           
                                           Voar, voar!
                                            Sem apego, sem preocupação
                                            Sem medo, sem ambição
                                            Esquecer o passado
                                            Não pensar no futuro
                                            Voar, Voar!
                                             Ser livre
                                             De qualquer amarra
                                             Pouco importa a saudade
                                             O dinheiro e a sociedade
                                             Voar, voar
                                             Quebrar os elos
                                              Elos? Quais seriam?
                                              Todos os dias vejo-os como fios tênues
                                              Se rompendo por indiferença
                                              Voar, voar!
                                              Ser livre esvaziando-se do velho  
                                               De problemas que não são meus
                                               De promessas que não se cumpriram
                                               De assuntos que só o tempo resolveram
                                               Voar, voar!
                                                Sentir somente a brisa leve do ar
                                                As cores, e o calor do raio solar
                                                Sem receios
                                                Sem olhares feios
                                                Voar, voar!
                                                 Ser diferente
                                                 Sem mais arreios
                                                 Livre de freios
                                                 Livre do pequeno
                                                 Voar, voar!
                                                  Livre, livre
                                                 Do falso, da caverna
                                                 Dos espinhos, das trevas
                                                 Da inveja
                                                 Da maldade
                                                 Voar, voar
                                                  Para o céu imenso
                                                  Para a luz infinita
                                                  Deixando tudo oque infeliz, me fez ser.
                                                 


                                         
                                     
                                                 
                                               
                                               
                                             
                                                 
                                                   
                                                   
                                               
                                                   
                                                   
                                                   
                                                   
                                           
                                                   
                                                     
                                                     
                                                     










                                               


                                          

2012-05-14

Desabafo.

Quando queremos entrar
Para o bom caminho
Oque mais encontramos
É gente para nos desanimar

Surgem aqueles que pedem ajuda
Porque querem melhorar
Mas também surgem as hienas
Para se aproveitar

Existe aqueles que querem
Tudo ganhar
Sem fazer nenhum esforço
Para outros ajudar

Quando se tem a ideia
De um bom caminho trilhar
E fazer o bem ao próximo
Surge a tropa do deixa pra lá

Um dia eu disse
Um livro com boas palavras
Vou escrever
Ouvi de imediato alguém dizer

Bobagem! já existe muitos
E nada de novo para dizer
E para o desanimo implantar
Continuou a dizer

Escrever passou a ser perigoso
Pois estalou-se as trevas
Para os livros ditar
Então ponho-me a pensar

Como pode as pessoas
Desta forma desanimar
Em comunicar boas palavras
Que a alguém pode ajudar

Quando se propõe
No bom caminho andar
Oque mais se encontra
É gente para desanimar

Então devemos
Força extrema conquistar
Para subirmos a difícil subida
Para o mestre encontrar


Autora
margarete.








Assim foi meu irmão!!!

Boêmio era o poeta 
Feliz ou amargurado
Triste acabrunhado 
Quando se sentia subjugado

O irmão que o amava
De longe observava
tentando muitas vezes
Traze-lo a realidade

Alerta-lo para os perigos
Pela vida que levava
Oh! pobre irmão
Que enlouquecido ficou

Ao ver que seus conselhos
Não foram ouvidos
Ao depara-se com o poeta estendido
Na relva sob os raios da lua cheia

Lua cheia que tanto ele venerara
Iluminava seu corpo
Em silencio para sempre
Pois a morte o levara.